[12 filmes para 2017] A lista de Schindler (Schindler's List, 1993)

13:00


Cruel e real, "A Lista de Schindler" convida o espectador a assistir e vivenciar o terror e a tortura sofrida pelos judeus durante o regime nazista.

Já assistiu a um filme que você achou que não aguentaria ver até o final pelo alto nível de brutalidade das cenas e a sensação de angustia que elas te causavam? Então, se está pensando em assistir "A Lista de Schindler", se prepare, porque ele é o típico filme que fará você repensar a existência da humanidade.

Infelizmente, o emprego dessa afirmação não foi uma força de expressão. O longa de 3 horas e 15 minutos não só convida, como exige que o espectador faça uma autoavaliação de seus valores e revisite situações do cotidiano em que foi omisso quando poderia ter feito o essencial: ajudar!

Oskar Schindler foi um alemão que percebeu nos judeus uma oportunidade de mão de obra barata durante a ascensão do regime nazista, na Alemanha. Fazendo valer sua influência entre poderosos integrantes do partido de Adolf Hitler, subornando oficiais e membros da SS, Schindler adquiriu autorizações e contratos para a abertura de uma fábrica que fornecia panelas para o exército.

Com a relocação dos judeus poloneses para o Gueto de Cracóvia, Schindler se aproveitou da situação e convenceu um contador judeu chamado Stern a auxília-lo na busca por operários para trabalharem em sua nova fábrica e convencer empresários judeus a financiá-la em troca de alguns produtos produzidos. Sem conhecimentos de como gerir uma empresa, o alemão delega a função de administrador para Stern, enquanto ele apenas lucra e encena sua posição de "Herr Direktor".

Inteligente e astuto, Stern identifica o trabalho na fábrica como um meio de melhorar, de forma mínima, a situação de alguns judeus dentro do gueto, uma vez que não poderiam ser assassinados ou sofrerem tortura, pois eram propriedades de Oskar Schindler.

Com a chegada do tenente Amon Göth em Cracóvia, o terror é instaurado. É decretado o fim do gueto e inicia-se a Operação Reinhard, uma ação truculenta de evacuação do espaço e massacre a centenas de pessoas que se recusaram a deixar suas casas para serem levadas ao campo de concentração de Plaszów. É assistindo ao assassinato e tortura do alto de um morro, que Schindler se dá conta que, para alguns, a sua fábrica é a única coisa que os mantém vivos.

Amon Göth interpretado por Ralph Fiennes
Dirigido por Steven Spielberg e apesar de lançado em 1993, praticamente todo o filme é produzido em preto e branco, salvo um objeto em meio ao massacre da Operação Reinhard e as cenas finais. Em entrevista anos atrás, Spielberg afirmou que não poderia gravar um longa sobre os horrores do Holocausto senão em preto e branco, o diretor declarou que esse é um período na história da humanidade sem vida, logo sem cor.

E não poderia estar menos certo quanto a isso. Além da linguagem poética que empregou, as cenas estão repletas de uma carga dramática que está ali justamente para incomodar, o preto e branco reforçam a insanidade e terror do contexto histórico. Spielberg conversa com as emoções e sentimentos do espectador através da paleta de cores. Quando inicia o filme colorido e depois ele torna-se cinza simbolizando o início da ascensão nazista. A menina do casado vermelho sendo levada por um soldado alemão em meio ao massacre de Cracóvia simbolizando o sangue judeu derramado. O diretor age com a sutileza de um pintor revelando seus segredos sobre uma tela, mas com um impacto que desestabiliza até o mais frio dos homens.

As cenas de violência e execução evidenciam a crueldade que caracterizaram o genocídio. As tomadas não foram suavizadas em nenhum momento e no decorrer do longa não é incomum assassinatos arbitrários e por motivos torpes serem retratados.

A desenvoltura de Liam Neeson na pele de Oskar Schindler é palpável. O ator reproduz com maestria desde a simples ambição de enriquecer às custas da desgraça humana até a abdicação total de sua riqueza para salvar o outro. Ele trabalha um personagem de extremos executando uma atuação impecável.

Por outro lado, o BAFTA de melhor ator coadjuvante para Ralph Fiennes no papel de Amon Göth, na época, seria no mínimo esperado. Retratando um psicopata, Ralph não só convenceu, como incutiu Amon no imaginário de quem assistiu ao longa como um completo monstro. Fiennes inspira medo, terror, tragédia, ódio e revolta. Quem é Lord Voldemort perto do oficial da SS que tinha como hábito matinal praticar tiro ao alvo com judeus?

Ralph Fiennes e Liam Neeson
As questões que permeiam a narrativa são batidas, velhas conhecidas de nossas velhas aulas de história sobre a Segunda Guerra Mundial, que vira e mexe ressurgem das cinzas como a fênix para nos incomodar, pois ainda estão sem respostas. De certo, permanecerão assim por mais um longo tempo.

Mas, por mais clichês que elas possam ser, como não questionar o que levou uma das maiores civilizações do mundo, berço dos maiores filósofos e pensadores da humanidade, a se deixar levar por um discurso regado à ódio?

Entretanto, além do que já foi explorado, "A Lista de Schindler" questiona valores da nossa sociedade, estimula a discussão sobre quanto vale a vida. Incomoda quando intima o espectador a se questionar quem ele salvaria e quem ele deixaria nas mãos de Amon para morrer.

O debate mais profundo que se pode extrair da história é sobre a omissão que todos os dias o homem comete com o seu semelhante. A narrativa se expande ainda para questões psicológicas e filosóficas.

"A Lista de Schindler" é sensível, delicado, tocante. Em contraponto é angustiante, cruel, perverso, violento. É uma história que testa os limites do homem, da fé, coragem, ética e empatia. É um filme que muda conceitos, quebra paradigmas e reforça ideologias. Sim, ele é um longa de contradições, mas o que esperar da história de um homem que ambicionava crescer se favorecendo da chacina e da tortura e, ao invés disso, salvou 1.100 pessoas da execução por câmara de gás do campo de concentração em Auschwitz?

You Might Also Like

21 comentários

  1. Olá!
    Acho que esse é o meu filme favorito de todos os tempos! Super profundo, com uma mensagem super atual... Foi o ápice de Spielberg nas telonas! Comigo mexe em especial por ser professora de história e ver todo o processo de desumanização dos judeus sendo retratados em preto e branco... É uma narrativa sensacional!

    bjs

    Inajara

    www.vintageandgeek.com.br

    ResponderExcluir
  2. ainda não assisti, muito bom que eles valorizam coisas da história e não focam em filmes só de besteirol , amei a sua resenha do filme, me instigou a assistir, parabéns pelo blog, tudo lindo por aqui.

    ResponderExcluir
  3. ESSE filme é inesplicavel você vê dois personagem tão distinto um do outro, uma pessoa que se possivél daria a vida para salvar mais vida, enquanto o outro totalmente diferente , sem contar que nos leva a pensar oque estamos fazendo para o próximo .

    ResponderExcluir
  4. Acho que para a minha área na faculdade vai valer a pena ver esse filme, não sou muito fã de preto e branco mas da pra fazer um esfocinho, parece ser incrível. Obrigada pela dica

    ResponderExcluir
  5. Ainda não assisti esse filme, mas me parece ser muito bom, inclusive vou indicar para meus ex professores, que sempre estão em buscas de filmes que retratam esse lado da história para possíveis reflexões entre os alunos

    ResponderExcluir
  6. Não assistir ainda mais pelo seu texto, podemos acreditar que o filme relata a crueldade desse tempo, onde faz com que o telespectador reflita mais sobre o assunto. beijos sucesso!!!

    ResponderExcluir
  7. Eu simplesmente adoro esse filme. Mesmo na crueldade da guerra foi possível encontrar alguma esperança. Super aconselho esse filmaço. Parabéns pela resenha

    ResponderExcluir
  8. Eu assisti esse filme na escola es e tornou um dos meus preferidos. Realmente é muito cruel..mas passa tanta verdade, feito com tanto cuidado... acho incrível. Adorei sua resenha.

    ResponderExcluir
  9. Eu já assisti A Lista de Schindler e amei demais esse filme. É um dos filmes que eu super recomendo e se deixar assisto todos os dias.

    ResponderExcluir
  10. Esse filme é de cortar o coração! É pesado demais!

    ResponderExcluir
  11. Mano, tenho dvd desse filme, desenvolvi um trabalho na escola acima dele e o tenho marcado no coração, é ótimo e acho que vou até rever, porque é bom em questão de enredo, fotografia e trilha sonora. Ele foi filmado com trocas de lente, muito bom. olha eu, toda tecnica, rs. otimo post, vou acompanhar seus filmes para o ano. bjs

    ResponderExcluir
  12. Esse filme é sensacional !adoro filmes baseado em fatos reais, e principlamente, que me façam refletir , foi assim tbm com ate o último homem. Você já viu ? Tbm é expetacular!

    ResponderExcluir
  13. Não curto muito filmes assim, justamente pela brutalidade e injustiças que ocorrem, mas gostei da sua resenha e vou "tentar"...porque eu choro muito com essas coisas :(
    Bjs ♥

    ResponderExcluir
  14. Daiana Fantabril 04, 2017

    Eu nunca tive coragem de assistir esse filme inteiro, mas assisti alguns trechos. É triste, é angustiante, me fez engolir seco nos pedaços que assisti. Uma parte muito triste da história do mundo e espero que possamos sempre evoluir em nome dos que não tiveram essa oportunidade, infelizmente. Em contrapartida, "adorei" saber o motivo do vermelho no filme. É realmente uma curiosidade que me foi sanada! Obrigada e mesmo com o pouco que assisti compactuo com uma nota tão boa. Espero por mais grandes filmes aqui *-*

    ResponderExcluir
  15. Eu assisti a esse filme há algum tempo e sempre que assisto reajo como se nunca o tivesse assistido.
    O desconforto que ele gera é justo. Não é um filme para entreter, é uma obra de arte para sentir, para reagir, para pensar, para rememorar. O longa incomoda, angustia, mas não se resume no desvelar do horror pelo horror, antes desnuda-o para revelar o quão cruéis ou genuinamente "humanos" podemos ser, se assim o escolhermos, diante de situações adversas. O que faríamos? Como reagiríamos? Qual a dimensão simbólica do filme e suas implicações em nossas vidas?
    Seu texto ficou perfeito! Emocionei!
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  16. Eu me lembro de meus pais terem visto esse filme quando eu era menor, não dei atenção pois era criança. E ainda não tive oportunidade de asisti-lo com outros olhos.

    ResponderExcluir
  17. Amo filmes sobre Guerras e esse parece ser muito impactante pela forma como eles retratam, irei assistir sim e gostei da dica de filme.

    ResponderExcluir
  18. Olá! Que excelente dica, sinceramente não conhecia esse filme mas depois de ler seu post achei muito interessante e me deixou afim de conferir, já entrou na lista de filmes para o fim de semana.
    Abraços e Sucesso!
    www.pandapixels.com.br

    ResponderExcluir
  19. Ótima recomendação! É um filme marcante, diria que até forte mas, essencial para compreendermos um pouco mais desse período e nos auto avaliarmos. Atualmente vivemos uma guerra tão cruel quanto o período nazista e o mundo parece assistir de olhos vendados, é tão lamentável. Mas enfim... Façamos cada um a nossa parte para que situações como essas sejam minimizadas e possam não existir mais no futuro.

    Blog | Fanpage | Instagram

    ResponderExcluir
  20. Oi,
    Nossa, esse filme bem interessante,
    Agora eu queria assistir, é muito bom para saber o passado né .
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Ainda não vi o filme, mas já vi uns documentários sobre a história e é marcante! Só de tentar imagina como essas coisas aconteceram é complicado !

    ResponderExcluir

O que achou? Deixe seu comentário! :)
Obrigado por nos visitar

Refração Cultural no Facebook

Refração Cultural no Twitter

Subscribe