[CinematekaDaFani] O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain, 2001)

23:51


Citação favorita da Fani:


video

Homem do Retrato: Ela está apaixonada!
Nino Quincampoix: Mas eu nem a conheço!
Homem do Retrato: Ah, você a conhece, sim.
Nino Quincampoix: Desde quando?
Homem do Retrato: Desde sempre. Dos seus sonhos.

Eu estou sumida? Sim, eu estou sumida, mas acreditem, é por uma boa causa. Acredito que eu deva uma satisfação, como tantas outras vezes, mas peço que compreendam. Eu e a Letícia estamos entrando em semana de prova e entrega de trabalhos na faculdade e além disso, ainda estou tentando me adaptar a minha nova rotina em meu novo emprego. Então, eu peço só um pouco de paciência nessa adaptação.

Mas, antes que digam que não pensamos em vocês, nós do Refração estamos cheias de conteúdos que queremos compartilhar. Então, nos acompanhem nas redes sociais (Twitter / Facebook / Instagram) para ficarem por dentro do que está vindo por aí, combinado?!

Bom, hoje sendo segunda-feira (e principalmente essa, depois de um feriado prolongado), é dia da resenha do Cinemateka da Fani. O filme da vez é uma comédia romântica francesa, lançado em 2001 e vencedor do BAFTA de 2002 como Melhor Roteiro Original e Melhor Desenho de Produção. Hoje iremos falar sobre “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” (Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain, 2001)


Sinopse:

Após deixar a vida de subúrbio que levava com a família, a inocente Amélie (Audrey Tautou) muda-se para o bairro parisiense de Montmartre, onde começa a trabalhar como garçonete. Certo dia encontra uma caixa escondida no banheiro de sua casa e, pensando que pertencesse ao antigo morador, decide procurá-lo ­ e é assim que encontra Dominique (Maurice Bénichou). Ao ver que ele chora de alegria ao reaver o seu objeto, a moça fica impressionada e adquire uma nova visão do mundo. Então, a partir de pequenos gestos, ela passa a ajudar as pessoas que a rodeiam, vendo nisto um novo sentido para sua existência. Contudo, ainda sente falta de um grande amor.
___________________________________________________________________________

Eu vou começar essa resenha de maneira diferente, eu vou começar já dando o meu veredicto: Se existe alguém no mundo (assim como eu há duas semanas atrás) que ainda não viu esse longa, pare tudo o que está fazendo nesse momento (até mesmo lendo esse post) e vá assisti-lo.

O filme se inicia com o narrador nos contando acontecimentos aleatórios, porém simultâneos à fecundação da pequena Amélie. Após o nascimento, o foco da narrativa passa a ser a infância da personagem-título, sua relação com os pais, suas desventuras, a falta de contato com outras crianças e a sua amizade e interação com um peixe de estimação que, devido a estranheza da família, constantemente efetua tentativas de suicídio.


Então, em 1997, finalmente, a vemos crescida, morando num apartamento no bairro de MontMartre e trabalhando como garçonete no café “Les 2 Moulins” (um lugar ainda muito visitado por fãs do filme, especialmente por ainda ser casa do famoso anão de jardim que aparece na trama). A vida de Amélie começa a mudar quando a garota, assistindo ao noticiário, descobre sobre a morte de Lady Di e acaba se perturbando e derrubando um objeto no chão. Esse objeto, por sua vez, bate em um ladrilho revelando o esconderijo onde o antigo morador do apartamento havia escondido uma caixinha de “tesouros” quando criança.

A moça se determina a entregar a caixinha ao antigo dono anonimamente. Após concretizar a entrega e percebendo a alegria que a recuperação do objeto perdido leva ao homem, Amélie descobre o gosto em ajudar pessoas. E é em meio a pequenos atos realizados pela moça e seus estratagemas para ajudar os demais, que ela acaba se apaixonando à primeira vista por um rapaz tão “estranho” quanto ela.

Amélie Poulain é uma personagem que, até aquele momento, o cinema jamais havia apresentado ao público. O enredo trabalha de forma delicada e envolvente a construção do perfil de cada personagem, desde os pais de Amélie até os frequentadores do café, os funcionários e os moradores do prédio da garota. Nos é traçado esses perfis com informações que o narrador nos cede sobre quais os gostos de cada uma dessas personagens.


O desenvolvimento da personagem principal no decorrer da trama é palpável. É de forma sutil e cômica que vemos a garota que seguia todas as ordens neuróticas dos pais se tornar uma mulher antissocial e um simples gesto desencadear um novo modo de ver o mundo, como se ela redescobrisse a vida e usasse isso para influenciar positivamente as vida das pessoas ao seu redor.

Em questões mais técnicas, a trilha sonora não deixa a desejar em absoluto, há uma combinação com o ambiente, à época, o clima das cenas e elas estampam muito bem a identidade francesa do longa. Quanto a fotografia, é extremamente impecável a utilização de cores fortes e vibrantes, quase que brigando por atenção na tela, intensificando a sensação fantástica do filme em sintonia com sequências que nos remetem ao próprio estilo fantástico como, por exemplo, a cena logo acima, onde o Nino está conversando com o homem do retrato. Essa influência do fantástico é característica do diretor do longa Jean-Pierre Jeunet. Uma curiosidade: A escolha das cores utilizadas na fotografia do filme foram inspiradas nas obras do artista plástico brasileiro Juarez Machado.


O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” é constituído por amizades que se consolidam, benfeitorias realizadas, punições e peças pregadas, sentimentos construídos e, acima de qualquer coisa e principalmente, de pequenos prazeres. É um longa que te faz, de alguma maneira, redescobrir os prazeres cotidianos, os pequenos gestos que nos trazem a satisfação como, por exemplo, sentir a sensação que causa enterrar os dedos bem fundo em um saco de grãos. Amélie nos faz redescobrir com sua doçura que os motivos da nossa felicidade são mais frequentes e simples do que pensamos, percebemos e acreditamos. E o romance? Bem, o romance é um desses pequenos prazeres cotidianos.


Então, está fazendo o que aqui até agora?! Já pra sala assistir esse filme, porque pra mim ele já entrou na lista dos favoritos e dos que merecem ser vistos e revistos quantas vezes forem possíveis.





You Might Also Like

2 comentários

  1. Esse filme é puro amor <3 Gosto muito. Não sabia essa curiosidade, adorei!
    Beijos
    www.purpurinaacida.com

    ResponderExcluir
  2. Esse é o meu filme favorito de todos os tempos, comprei o DVD e nem me lembro mais quantas vezes já o assisti, é um filme que recomendo para todo mundo também. Adorei o post!
    Beijos
    Bluebell Bee

    ResponderExcluir

O que achou? Deixe seu comentário! :)
Obrigado por nos visitar

Refração Cultural no Facebook

Refração Cultural no Twitter

Subscribe