[CinematekaDaFani] Feitiço do Tempo (Groundhog Day, 1993)

23:12


Citação favorita da Fani:

video

Phil: Alguém me perguntou hoje: "Se você pudesse estar
em qualquer lugar do mundo, onde você gostaria de estar?".
Eu disse para ele: "Provavelmente bem aqui".

Voltei com mais uma resenha do Cinemateka da Fani, e se você ainda não sabe do que se trata ou perdeu alguma resenha, clique aqui e fique por dentro do projeto, da lista de filmes e dos longas já assistidos e comentados anteriormente, ok?! Então, vamos aos trabalhos...

O filme a ser resenhado hoje é mais uma comédia romântica, estrelada por Bill Murray e Andie MacDowell, que interpretam um jornalista e sua produtora no longa Feitiço do Tempo (Groundhog Day, 1993).


Sinopse:

Um repórter (Bill Murray) de televisão que faz previsões de metereologia vai a uma pequena cidade fazer uma matéria especial sobre o celebrado "Dia da marmota". Pretendendo ir embora o mais rapidamente possível, ele inexplicavelmente fica preso no tempo, condenado a vivenciar para sempre os eventos daquele dia.
_________________________________________________________________________________

O enredo conta a história do repórter do tempo, Phil Connors, que é extremamente egoísta e egocêntrico, ele se acha uma estrela da televisão mesmo sendo apenas o cara da metereologia. Faltando seis semanas para o fim do inverno, Phil tem que ir à uma pequena cidade chamada Punxsutawney para cobrir o festival do "Dia da Marmota". O evento nada mais é que esperar que a marmota, que coincidentemente também se chama Phil, saia de sua toca e anuncie se o inverno permanecerá por mais seis semanas ou acabará mais cedo, no caso dela ver a própria sombra no percurso de saída. Para Phil, cobrir esse evento é totalmente desnecessário e um desperdício de seu talento como jornalista.

Então, parte Phil e sua equipe, constituída por Larry, o câmera, e Rita, a produtora, para a cidadezinha cobrir o "Dia da Marmota". É a partir desse momento que começamos a analisar as relações existentes entre as personagens. Phil é tão egoísta, que sua equipe, que já trabalha com ele tempo suficiente, não o suporta, é uma relação extremamente superficial e simulada. É possível notar a distância entre eles no momento em que chegam a cidade e Phil vai dormir em um hotel e a equipe em outro, já que o jornalista se recusa a se hospedar em um lugar humilde.

A marmota Phil
No dia seguinte, ele cobre o evento (cá entre nós, da pior maneira possível) e no momento de sair da cidade, para felicidade de Phil (SQN), há uma enorme nevasca, impossibilitando a volta para casa. Portanto, eles são obrigados a passar mais uma noite em Puntxsutawney. Porém, na manhã seguinte, em vez de realmente ser o "dia seguinte" é como se fosse um deja vu do "Dia da Marmota". Phil fica preso no tempo, sendo o único a ter consciência de que aquele dia está acontecendo repetidas vezes.

Todas as pessoas da cidade estão alheias a esse bug no tempo, logo as falas e as ações das pessoas se repetem em várias cenas, e isso me incomodou um pouco, o longa se tornou redundante demais. Talvez essa seja a sensação que o filme tentou passar, mas houve um exagero de repetições e o enredo ficou um tanto cansativo. Digo que essa deve ser a intenção, pois é exatamente como Phil passa a se sentir, incomodado, entediado, nervoso e por fim depressivo.


Tudo está inerte e ele começa a entrar em uma decadência emocional que o leva ao suicídio, ou melhor, aos suicídios. Sim, ele se mata de todas as maneiras possíveis, mas ele não morre realmente, na manhã seguinte ele está vivo. E é aí, que ele passa acreditar que é um deus, um ser imortal e estático. Então, ele passa a aproveitar seus dias iguais e monótonos, primeiro de forma explosiva, fazendo tudo o que sente vontade e depois de uma maneira saudável e construtiva.

E o feitiço começa a surtir efeito, é aí que o personagem começa a se desenvolver. Ele compreende que tudo o que ele vive anteriormente não é suficiente para que o tempo volte a correr de forma natural. Phil passa a prestar atenção as pessoas, observar os pontos a melhorar, praticar atividades educativas e a se emprenhar em ser alguém melhor. É fascinante como o enredo começa a nos apresentar novos personagens que são simplesmente ignorados por Phil num primeiro momento e possuem histórias encantadoras, por mais que eles venham a interagir pouco tempo com Phil, esses personagens alteram de forma significativa o modo como o jornalista começa a enxergar o mundo, as pessoas e suas relações. Toda aquela redundância é deixada de lado, mas isso acontece lá pelos trinta minutos finais do longa, o que faz com que o enredo fique um pouco pesado.

Um filme que expressa perfeitamente que melhorar é necessário, que se tornar uma pessoa que se edifica todos os dias é mais do que uma tarefa de apenas uma vez em nossa existência, mas sim pelo resto da nossa vida. Apesar da redundância da narrativa, a essência do longa é extremamente válida. Feitiço do Tempo trata-se da empatia pelo próximo e a conquista contínua de um verdadeiro amor com sutileza e descontração, mas possui um enredo construído de uma forma que ou você ama ou você detesta. Fica a dica ;)




You Might Also Like

0 comentários

O que achou? Deixe seu comentário! :)
Obrigado por nos visitar

Refração Cultural no Facebook

Refração Cultural no Twitter

Subscribe